domingo, 19 de julho de 2015

10 MANEIRAS DE UMA IGREJA “MATAR” SEU PASTOR


O ministério pastoral é extremamente árduo. Servir a Cristo como pastor ao contrário do que alguns pensam não é nada fácil. Na verdade, não são poucos os líderes que vivem debaixo de uma enorme pressão espiritual. A igreja em alguns casos é implacável exigindo do pastor muito mais do que ele pode dar.
Uma pesquisa feita nos Estados Unidos afirma que cerca de 90% dos pastores estão trabalhando entre 55 a 75 horas por semana. O percentual de esgotamento está no máximo, com somente 50% dos pastores cumprindo seus anos de trabalho como pastor. A pesquisa também afirma que mais de 50% dos graduados nos seminários deixam o ministério depois de 5 anos. Mais de 1200 pastores a cada mês deixam o ministério devido a tensão ou situações relacionadas com a igreja, assuntos familiares ou falha moral.
Pois é, complicado não é mesmo? Para piorar a situação existem igrejas que se tornaram “experts” em maltratar seus pastores. Eu particularmente, conheço inúmeras igrejas que de forma acintosa e perversa arrebentaram com as vidas de seus líderes.
Lamentavelmente o  “pacote de maldades” de algumas igrejas para com o seu pastor é de deixar qualquer um ruborizado.
Veja por exemplo algumas atitudes que podem contribuir para a “morte” do pastor:

1) Trate-o com desdém, minando pelos cantos da igreja sua autoridade espiritual.
2) Trate mal sua esposa e exija dela mais do que ela pode dar.
3) Trate mal seu filhos chamando-os de pestinhas ou coisa pior, colocando sobre eles um peso que  não foram chamados a suportar.
4) Pague um salário de fome para ele.
5) Desrespeite-o publicamente.
6) Semeie duvidas no coração dos irmãos quanto ao caráter dele.
7) Desvalorize seus ensinos e pregações.
8) Comporte-se dolosamente falando mal dele para a liderança da igreja.
9) Murmure o tempo todo demonstrando sua insatisfação com o trabalho desenvolvido.
10) Faça-o trabalhar além da conta não concedendo a ele o direito a férias e descanso.

Que Deus tenha misericórdia do seu povo!

Fonte: Blog do Pastor Renato Vargens.