quarta-feira, 5 de julho de 2017

O CAMINHO DA PROSPERIDADE

*Pastor J.G. Freitas




“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores. Antes o seu prazer está na lei do Senhor, e na sua lei medita de e de noite. Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto na estação própria, e cujas folhas não caem, e tudo quanto fizer prosperará.” (Salmo 1.1-3)

“A prosperidade é apenas um instrumento para ser usado, não uma divindade a ser venerada”. – Calvin Coolidge. 

“A riqueza se parece com a água do mar: quanto mais dela bebemos, mais sedentos ficamos”. – Schopenhauer. 

“E semeou Isaque naquela mesma terra, e colheu naquele mesmo ano cem medidas, porque o Senhor o abençoava”. – Livro do Gênesis 26.12

Quem não quer ser bem-aventurado? Quem não quer ser próspero?

Bem-aventurado é o mesmo que ser feliz, alegre, contente, abençoado, vitorioso, próspero, bem sucedido; enfim, todas as características de um justo.

Para ser um justo e bem-aventurado há, entretanto, condições a cumprir e princípios a obedecer. Há uma conduta a ser evitada: - aquela que conduz ao pecado e distancia da presença de Deus. Por outro lado, há uma atitude a ser preservada – o afastamento do pecado e a busca do prazer na lei do Senhor e meditação nela o dia inteiro. Quem faz isso prospera em todas as áreas de sua vida.

O justo é comparado a uma árvore frutífera, plantada junto às águas, que dá o seu fruto na estação própria e cujas folhas não caem. Tem tudo para ser feliz e cumprir o seu propósito.

Quando servi ao Exército Brasileiro, em 1983, participei de uma palestra sobre o tema sobrevivência na selva. Ainda me lembro do Oficial responsável pela instrução dizendo: “se você quiser saber onde há água em uma floresta, basta verificar onde a vegetação é mais verde e as árvores mais viçosas e encorpadas, pois onde há água existe vida abundante”.

Assim acontece com o justo, aquele que serve a Deus. Prospera em todas as áreas de sua vida e os sinais são evidentes para todos aqueles que convivem com ele. 

Podemos lembrar a história de Isaque, o filho que o Senhor Deus concedeu a Abraão na sua velhice. No livro de Gênesis, capítulo 26, vemos registrado que, mesmo estando em uma terra estranha, em uma época de grande miséria e fome, sendo, ainda, perseguido por seus inimigos, Isaque prosperou e enriqueceu.

A chave da prosperidade de Isaque está no início do capítulo 26 de Gênesis, quando o Senhor Deus apareceu-lhe e disse: “Não desça ao Egito; habita na terra que eu te disser: peregrina nesta terra, e serei contigo, e te abençoarei; porque a ti e à tua semente darei todas estas terras, e confirmarei o juramento que tenho jurado a Abraão teu pai”.

Ele obedeceu e prosperou: “E semeou Isaque naquela mesma terra, e colheu naquele mesmo ano cem medidas, porque o Senhor o abençoava. E Engrandeceu-se o varão, e ia-se engrandecendo, até que se tornou mui grande” (Gn 26.12,13).

O justo é uma referência de bênção, pois tudo o que ele faz alcança êxito. Cada poço que Isaque mandava cavar dava água abundantemente.

Os inimigos teimavam em querer prejudicar Isaque, mas, depois que viram o quanto Deus o prosperava, fizeram aliança com ele, para também alcançarem aquelas mesmas bênçãos. 

O ímpio, entretanto, é comparado à moinha que o vento espalha. Deixe-me explicar o que é moinha: - meu avô morava na área de uma fazenda, localizada próximo à cidade de João Monlevade, Minas Gerais, onde nasci. Ele plantava milho, feijão, cana e outras coisas. Em minhas férias escolares, não havia alegria maior do que ir para a casa de meu saudoso avô Gustavo e acompanhá-lo na roça.

Quando ele fazia a colheita, o milho e o feijão eram armazenados no paiol e a cana ele levava para o engenho para moer. Depois, ele pegava o milho e o feijão, punha no terreiro e, de maneira bem artesanal, juntava toda a família para descascar o milho e pisar no feijão para retirar toda a casca. O fruto era guardado, mas o resto – a moinha, a casca da cana, a palha do milho e do feijão – era jogado fora ou era combustível para uma grande fogueira.

Moinha - é a isso que o ímpio é comparado. Para nada serve, senão para ser jogado fora ou no fogo. Nada que faz ou o que venha a ser é aproveitado.

Queremos ser bem-aventurados? Estamos dispostos a obedecer as condições? Estamos prontos a nos submeter a Deus, sem murmurações ou reclamações?

O Senhor Deus disse, no livro do Profeta Isaías, capítulo 1, verso 19: “Se quiserdes e me obedecerdes, comereis o melhor desta terra”.

Hoje em dia, as pessoas querem alcançar seus objetivos de três maneiras: - com um mínimo de esforço, com um mínimo de tempo e com o menor investimento possível. Quando se trata do relacionamento com Deus, essas pessoas pensam que também será assim, ou seja, querem ser abençoadas rapidamente e sem fazerem nada, pois para elas Deus tem a obrigação de fazê-las felizes; afinal, elas entregaram suas vidas a Ele!

Muitos querem comprar as bênçãos divinas, querendo negociar com Deus. Não querem servi-lo, mas querem  que ele os sirva. Quando as coisas vão mal, ai meu Deus! Quando tudo está bem, adeus!

Devemos entender que a bem-aventurança é o resultado de uma caminhada com Deus, obedecendo-o e tendo íntima comunhão com ele. A prosperidade não pode ser a causa da nossa fé. Antes, é uma conseqüência ou o resultado do nosso caminhar ao lado de Deus.

O próprio Deus disse, no Livro de Deuteronômio: “Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, porque ele é o que te dá poder para adquirires riquezas... (Dt 8.18)”.

Muitas pessoas pensam que só serão felizes quando tiverem uma casa, um carro, quando conquistarem o amor de alguém ou quando realizarem um determinado sonho. Enquanto isso não acontece vivem sem dignidade, sem alegria e com pouca auto-estima.

Aí é que está o erro. Não é a medalha que faz o campeão. É o campeão que conquista a medalha. Assim, temos que ser felizes antes, pois já somos mais do que vencedores. A prosperidade tem que ser para nós um estado de espírito. Assim todas as demais coisas virão naturalmente.

Vale lembrar o que escreveu o dramaturgo inglês  William Shakespeare“É melhor ser de origem humilde / e em meio aos humildes viver contente / do que ataviar-se em mágoa cintilante / carregando uma dor de ouro”.

Leia esta estória e medite sobre um aspecto importante da prosperidade: “Um pai rico quis mostrar a seu filho como as pessoas podem ser muito pobres. Colocou-o em seu carro e, juntos, percorreram muitos quilômetros até chegar ao interior do estado. Chegaram à casa de um parente pobre e o pai disse para o filho: - observe bem como as pessoas podem ser pobres. O garoto saiu correndo e, na companhia de seu primo, percorreu todo o local. Uma casa simples, com um grande terreiro onde descansavam  diversos cães, e no fundo do terreno um rio com águas límpidas e cristalinas, onde os meninos nadaram bastante. Depois de algum tempo, resolveram ir embora. O pai, então, perguntou ao filho o que ele observara. O menino respondeu: - Nós temos um cão, eles têm cinco; nós temos uma piscina, eles têm um grande rio que passa no quintal; nós vivemos cercados por muros de concreto; eles têm um grande quintal e um pomar com árvores frutíferas que florescem o ano inteiro. É, pai, realmente, nós somos muito pobres!!! 

Estando nosso coração em coisas efêmeras e passageiras, quando elas acabarem estaremos vazios e perdidos. Portanto, ansiemos pelas coisas espirituais e eternas, e o nosso coração será guardado pelo Deus Todo-Poderoso, imutável e misericordioso.

Em Deus está a nossa fonte de prosperidade e de bênção. Precisamos obedecê-lo e ter prazer em sua palavra. Ele quer fazer de nós verdadeiros santos que, mesmo vivendo entre pecadores, não sejamos escravos do pecado; mesmo vivendo rodeados de miséria, não sejamos miseráveis; mesmo rodeados de corrupção e de impureza, sejamos incorruptíveis e puros.

É bom lembrarmos que Deus quer que o seu povo seja próspero. A miséria e a pobreza não são projetos de Deus para nenhum de seus filhos. Afinal, qual pai desejaria ver seus filhos sofrendo privações, enquanto ele dispõe de todos os recursos para fazê-los ricos e abençoados?

Vejamos alguns textos que reforçam as suas promessas:

-  “cantem e alegrem-se os que amam a minha justiça, e digam continuamente: o Senhor, que ama a prosperidade do seu servo, seja engrandecido” (Sl 35.27);

- “Se quiserdes, e ouvirdes, comereis o melhor desta terra”(Is 1.19); “Eu, eu o tenho dito; também o chamei, e o farei vir, e farei próspero o seu caminho” (Is 48.15). 

Finalmente, é importante lembrar que a prosperidade, o sucesso, o êxito, dependem, também, de muito trabalho e de muito suor. Como bem escreveu Cyrus K. Curtis “o dicionário é o único lugar onde sucesso vem antes de trabalho”. Fred Sheeley afirmou: “Para ter sucesso na vida, a sua língua deve trabalhar pouco; as suas mãos devem trabalhar muito; e mais ainda, o seu cérebro”.

Não podemos esquecer uma chave que abre a porta da prosperidade: uma boa semente. Isto mesmo, semear, dar, ofertar e ser generoso(a). Jesus Cristo, nosso Senhor e Salvador, disse: “Daí e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordante vos deitarão em vosso regaço; porque com a mesma medida com que medis, vos medirão a vós (Lc 6.38)”.

O Apóstolo Paulo escreveu também: “Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e aquele que semeia em abundância, em abundância também ceifará ( 2 Co 9.6)”.

Portanto, o segredo da prosperidade é confiar em Deus e em suas promessas, ser fiel a ele e obedecê-lo incondicionalmente, semear e investir em sua obra e naqueles que ministram sua palavra; e trabalhar muito, com bastante inspiração e transpiração.

Hoje, Deus quer mudar tua  vida.  Primeiro, ele quer perdoar teus pecados e te dar um lugar no céu, onde você passará a eternidade. Ele, também, quer te prosperar e te abençoar como você jamais imaginou ou sonhou.

Abra teu coração e lança-te nos braços dele. Os teus dias nunca mais serão os mesmos.  E ele cumprirá em tua vida o que está escrito na Bíblia:  “As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para aqueles que o amam” (1Co 2.9).

Decida o que você quer ser: árvore frutífera ou moinha? Bem-aventurado ou derrotado? Justo ou ímpio?

Reflita:

- Você tem vivido como um justo ou como um ímpio?

- Com quem você tem andado? Teus amigos são amigos de verdade? A influência deles é boa ou pode te conduzir ao fracasso e à derrota?

- Você tem lido a Bíblia regularmente? Tem feito dela uma regra de fé e prática para tua vida?

- Você é próspero e tem experimentado em tua vida as bênçãos de Deus?

- Você entrega o dízimo, oferta regularmente e costuma expressar sua gratidão às pessoas que já te abençoaram?

- Pense em três coisas que você precisa mudar em tua vida, que estão te impedindo de ser bem-aventurado.

Comece a mudança hoje. Você precisa; você pode; você vai conseguir. Em nome de Jesus.

Observação: - O artigo acima faz parte do livro, deste autor, ainda não publicado, como título "Manhãs de Orvalho".

____________________________________________

*Pastor J.G. Freitas é Colunista do Blog do Pastor Hafner, Pastor da Igreja Batista Aliança Eterna em Belo  Horizonte (Minas Gerais), Oficial da Reserva  da Polícia Militar de  Minas Gerais (PMMG), pós-graduado em Administração e Segurança Pública, Mestre em Missiologia, Doutor Honoris Causa pela UNIPAZ, Professor de Teologia, Palestrante, Escritor, Conferencista Internacional, fluente  em espanhol.

Contatos do Pastor Freitas para ministrações, Seminários e Palestras:

  • E-mail: jgfreitass64@gmail.com
  • Tel.: (031) 99225-9058 (Tim)
  • Tel.: (031) 97166-7038 (Vivo)