quarta-feira, 25 de maio de 2011

Arnold Schwarzenegger exterminou o próprio futuro.


Arnold Schwarzenegger
(O Exterminador do Futuro)
             Parece que o ex-goverdador da Califórnia e ex-astro do cinema, o austríaco naturalizado norte americano Arnold Schwarzenegger, é de fazer a vida imitar a arte, pois viveu na própria pele o seu personagem no filme O Exterminador do Futuro - nesse caso, exterminando o seu próprio futuro. 

            Schwarzenegger, de 63 anos, traía a esposa Maria Shriver, 55, com Mildred Baena, 50, que trabalhou por mais de 20 anos como empregada da família. Da relação ilícita, nasceu um filho, hoje com treze anos. A própria Mildred contou tudo para Maria Shriver, que pediu divórcio - é mais uma família destruída pelo pecado.

            Como a família de Arnold Schwarzenegger, muitas são destruídas pelo pecado do adultério. Homens e mulheres que, atendendo ao clamor da carne e caindo nos laços de Satanás, extinguem a instituição familiar, a qual, antes de ser a célula mater da sociedade, é um projeto de Deus. "Por ser de origem divina, o inimigo (Satanás) tem atacado a família de maneira implacável. As tentações aos pais de família, principalmente na área do sexo e do mau relacionamento com os filhos tem sido constante...", afirma o Pastor Arrison Antonio

            O adultério é tão abominável que o Senhor Jesus Cristo disse: "Ouvistes que foi dito: não adulterará. Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela." (Mateus 5.27 e 28). Jó, sabendo do perigo de cair na tentação do adultério através de um olhar, declarou: "Fiz aliança com os meus olhos; como, pois, os fixaria eu numa donzela?" (Jó 31.1). Há quem diga que a pessoa adultera porque a carne é fraca. Sim, a carne é fraca, mas, como diz o Pastor Eliel Amaral Soares, "pecado não é fortificante". Por isso o Senhor Jesus mandou vigiar e orar, para que não entremos em tentação (Marcos 14.38). E uma pessoa só é tentada, quando atraída e enganada pela sua própria cobiça, como escreveu Thiago: "Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência; então a concupiscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte." (Thiago 1.14 e 15).   

            Arnold Schwarzenegger, se tivesse o temor a Deus e a sabedoria de Jó, teria evitado a tragédia familiar na qual se meteu. Exterminou seu futuro de uma forma que nem os milhões de dólares em sua conta bancária poderão reparar tamanho estrago. Porém, eu conheço um que pode resolver a situação do ex-governador da Califórnia: Jesus Cristo de Nazaré - o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Ele disse: "Eu vim buscar e salvar o que se havia perdido."  (Lucas 19.10).


Pastor Hafner
Chavannes - Suíça

Nenhum comentário:

Postar um comentário