sábado, 16 de abril de 2011

Teria José, como Governador do Egito, tomado uma decisão errada?

            Entre os personagens mais celebrados da Bíblia está José, filho de Jacó, neto de Isaque e bisneto de Abraão. A sua fidelidade, o seu caráter e a sua obediência são apenas algumas características que o levaram a ser considerado como um "tipo" do Senhor Jesus Cristo. Ninguém duvida da integridade moral de José. Pelo menos era o que eu pensava, até ler alguma coisa que afirma ter José agido de forma errada, ao conduzir sua família para a terra do Egito para lá residir, não a deixando permanecer na terra que Deus havia prometido a Abraão, Isaque e Jacó. 

            Vamos ler os argumentos de quem vê a atitude de José como um erro que custou a liberdade do seu povo:

"José ou José do Egito (em hebraico יוֹסֵף, significando "Yahweh acrescenta"; Yôsēp em hebraico tiberiano; mais tarde designado como צפנת פענח, Tzáfnat panéach ou áfənat paʿnéa, em hebraico padrão ou āp̄əna paʿănēª em hebraico tiberiano, do egípcio que significaria "Descobridor das coisas ocultas") foi o décimo primeiro filho de Jacó, nascido de Raquel, citado no livro do Génesis, no Antigo Testamento, considerado o fundador da Tribo de José, constituída, por sua vez, da Tribo de Efraim e da Tribo de Manassés (seus filhos). Quando se tornou faraó, foi-lhe concedida a mão de Azenate, serva do faraó anterior.

História
Filho preferido de Jacó, apesar de não ser o seu primogênito (mas o primeiro filho de Raquel, a mulher que mais amava), José nunca escondeu a sua posição de superioridade em relação aos outros irmãos, que se ia manifestando através de sonhos em que a sua figura tomava sempre um lugar de destaque e liderança. O favoritismo, de que era alvo por parte do pai, valeu-lhe a malquerença dos irmãos, que o venderam, por 20 moedas (sheqel) de prata, como escravo a mercadores ismaelitas, os quais levaram José ao Egito do período da XVII dinastia.


            Já no Egito, foi comprado por Potifar (oficial e capitão da guarda do rei do Egipto), de quem conquistou a confiança e tornou-se o diligente dos criados e administrador da casa. Na casa de Potifar, acabou estudando com um escriba e aprendeu o antigo egípcio. Foi preso após acusação injusta de tentativa de abuso da mulher do seu amo, depois de uma tentativa frustrada de sedução por parte desta.

           
            Na prisão

            Na prisão, tornou-se conhecido como intérprete de significado dos sonhos. Lá, ele decifrou o sonho do copeiro-chefe e padeiro-chefe do palácio do Faraó, que foram presos acusados de conspiração. Segundo a interpretação de José, o sonho do padeiro-chefe indicava que este seria enforcado, mas o do copeiro-chefe indicava que este seria salvo, tendo isto mesmo ocorrido (Gênesis 40:1-22).

           
            O sonho do Faraó

            Vale ressaltar que àquela época a casta dos sacerdotes se opunham ao faraó, apoiavam um outro faraó, Taá II, que tinha domínio no Alto Egito e sempre estavam por trás das fomentações de conspirações. O faraó Apopi I pertencia a linhagem dos hicsos, um povo que havia invadido e tomado o poder no Egito.


            Um dia, o Faraó teve um sonho profético no qual 7 vacas magras comiam 7 vacas gordas e mesmo assim continuavam magras. Para explicar seu sonho, ele convocou todos os sacerdotes do Egito para decifrá-lo. Nenhum desses conseguiu, então o copeiro-chefe se lembrou do escravo na prisão, José, que tinha decifrado seu sonho e indicou-o ao Faraó. Então, o Faraó chama José e este consegue dar uma interpretação que o satisfaz, de que o Egito passaria por 7 anos de fartura e 7 anos de seca.
           

            José torna-se Adon do Egito

            Logo após a interpretação de José, o Faraó, muito satisfeito com a inteligente interpretação de José, dá a José um anel de seu dedo e o nomeia Adon do Egito, um cargo semelhante a chanceler, apesar de algumas versões da bíblia trazerem a palavra Governador.
José, então, ordena que se construam celeiros para guardar a produção do Egito durante os anos de fartura. Em verdade, também, José, nos anos em que passou na prisão, havia se inteirado da situação política do Egito e sabia também que nos anos de seca apenas ele, do Baixo Egito, teria comida criando assim uma vantagem sobre o soberano egípcio Taá, apoiado pela casta sacerdotal e que governava o Alto Egito. E assim aconteceu. Nos 7 anos de fartura, José, que vendia os cereais dos celeiros reais a preço de ouro, conseguiu comprar para o Faraó quase a totalidade das terras do Alto Egito.


            José reencontra-se também, com os seus irmãos, que pensavam erradamente que José ia matá-los. José depois se apresentou a seu pai que correu aos braços arrependido, e com a chegada destes, com seu pai, ao Egito. É assim que o povo israelita se instala no Egito, antes de ser escravizado e, mais tarde, libertado sob a liderança de Moisés.
           

            O fim do governo

            É possível que durante os anos de seca os sacerdotes tenham conseguido despertar a ira popular contra José e Apopi I, o faraó hicso, pois é durante esses anos que acontecem vários conflitos civis contra os governantes que terminaram com a vitória do faraó Taá II e seu exército, que tomaram primeiro Mênfis e depois a então capital Tânis. Vendo-se sem condições de vencer, Apopi e seus vassalos refugiam-se em Aváris, a cidade fortaleza construída pelos hicsos. Os hicsos acabaram finalmente vencidos, depois de aproximadamente 500 sobre as terras do Egito, por Ahmés I filho de Taá, na XVIII dinastia. É muito provável que José tenha morrido durante esses combates contra Taá II ou em um dos conflitos civís. Em nenhum outro local que fale da vida de José é contemplado o fato de que possivelmente ele tenha passado por uma transformação no seu ego, pelo fato de ascender tão rapidamente de encarcerado para a condição de número dois na hierarquia do Egito que, somados com a forte emoção de reencontrar seus irmãos e a possibilidade de vir a abraçar seu pai e seu irmão Benjamim, filho da mesma mãe Raquel, pode tê-lo feito esquecer da aliança que Deus fez com seu avô Isaque e com seu bisavô Abraão. Essa aliança foi a de que a terra de Canaã, onde morava seu pai Jacó, seria dada à Abraão e seus descendentes e José, sem consultar Deus, providenciou as melhores terras do Egito para receber seus familiares que abandonaram a Terra Prometida e foram morar no Egito onde suas gerações futuras permaneceram por mais de 400 anos, até o aparecimento de Moisés (grifo meu)."



           
            Sabemos que a maioria das interpretações aponta para o fato de que a terra de Gósen, no Egito, onde José colocou sua família para habitar (cerca de "setenta almas"), serviu como um refúgio providenciado por Deus para que o povo por Ele escolhido se multiplicasse sem ser contaminado pelas práticas nefandas e idólatras dos cananeus. Nesse caso, José é inocentado da acusação de ter agido sem consultar Deus. Mas, de qualquer forma, fica aqui o espaço aberto para que você emita a tua opinião.

            No amor de Cristo Jesus,


Pastor Hafner
Chavannes - Suíça

    

Um comentário:

  1. Graça e paz.
    Agradeço-te por esta seguindo o meu blog. Gostei muito do seu, Parabéns. Seguirei o seu sim será um prazer. Só não encontrei como.

    ResponderExcluir