segunda-feira, 18 de abril de 2011

Os degraus da consagração são para quem está disposto a descer!

              A ascensão ministerial é uma bênção para quem realmente tem um chamado específico de Deus para exercer o episcopado. O problema é que muita gente não entende que a hierarquia eclesiástica é inversamente proporcional à hierarquia militar, por exemplo. No militarismo, a escada da hierarquia tem sentido de subida. No ministério eclesiástico, ao contrário, a escada tem sentido de descida. Quando um Soldado é promovido a Cabo, ele sobe um degrau na "escada" da hierarquia militar. Vem a promoção para Sargento, e lá se vai a subida de mais outro degrau. Como Sargento, o outrora Soldado terá algumas regalias que antes não tinha - não vai mais lavar banheiros e nem ficar andando pelo quartel "fazendo faxina e catando papel", tão proclamado nas casernas pelos recrutas. Ao contemplar as divisas fixadas nas mangas da sua farda, o recém-graduado se orgulhará de ter subido mais um degrau. Sonhará em chegar a Sub-Tenente e, quem sabe, ingressar no privilegiado Quadro de Oficiais - aí será a sua apoteose. Isso é salutar no militarismo, mas, infelizmente, há crentes que pensam dessa forma em nossas Igrejas, ou seja, enxergam a consagração como um degrau de subida. Se forem separados para o diaconato, entendem que subiram um degrau. Então, usando a lógica aristotélica e não a  humildade em oração, projetam o próximo passo: o PRESBITÉRIO! E como se esse sentimento já não estivesse por si só equivocado, consideram-se superiores a outros irmãos que pensam estar em uma posição inferior à deles. Se chegarem a ser pastores, misericórdia, agora é a hora de usufruir das benesses que o cargo pode oferecer. LEDO ENGANO!

            O Senhor Jesus disse: "Mas o maior dentre vós será vosso servo." (Mt 23.11). E mais: "... o maior entre vós seja como o menor; e aquele que dirige seja como o que serve." (Lucas 22:26). E ainda: “O Filho do Homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos.” (Mc 10.45). O Apóstolo Paulo, escrevendo aos Filipenses sob a inspiração do Espírito Santo, falou: "Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo” (Fp 2.3). O que muitas vezes observamos em nossas Igrejas, porém, é um grupo de homens arrogantes e orgulhosos, que pensam em ascender ministerialmente para terem status social, privilégios, poder, enfim. Muitos desses não conseguem destaque na sociedade em que vivem e percebem na Igreja a possibilidade de uma escalada social; um lugar onde podem exercer  as suas aspirações de honra e glória. Esquecem de buscar o que nos orienta a Palavra de Deus:

"De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz."

(Filipenses 2.5-8)


Há irmãos que são separados para o diaconato e que o chamado é para ser Diácono por toda a vida. E isso já é uma grande honra - o primeiro mártir da Igreja Cristã, Estêvão, era Diácono (Atos 6.5). Assim sendo, o diaconato não significa o primeiro degrau, o presbitério o segundo e assim por diante. Em Efésios 4.11-12 diz que o próprio Senhor Jesus "... concedeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e outros para pastores e mestres, com vistas ao aperfeiçoamento dos santos para o desempenho do seu serviço, para a edificação do corpo de Cristo...". Antes de querermos alcançar posições ministeriais dentro da Igreja, precisamos perguntar ao Senhor Jesus qual é o verdadeiro chamado que Ele tem para as nossas vidas. E tem mais: galgar degraus na hierarquia eclesiástica não significa estar subindo cada vez mais para o céu! Cargo na Igreja não é sinônimo de santidade e nem de galardões diante do Senhor. Muitos que se dizem pastores irão sofrer a condenação eterna ou, pelo menos, ficar numa situação bem a quem do que esperam na eternidade. Por outro lado, muitos irmãos e irmãs que são desprezados, humilhados, ignorados, etc., mas que tem uma vida de santidade diante de Deus, serão exaltados pelo Senhor na eternidade.

            Portanto, antes de assumir qualquer cargo na Igreja ou ser consagrado(a), pense se realmente foi pra isso que o Senhor te chamou e, também, no peso da responsabilidade que virá sobre os teus ombros, pois a Palavra de Deus nos diz que: "A quem muito foi dado, muito será cobrado". (Lc 12.48). Ore ao Senhor e pergunte-O: "Senhor, foi para isso que o Senhor me chamou? É dessa forma, Senhor, que queres que eu te sirva?".

           
A paz do Senhor Jesus Cristo,


Pastor Hafner
Chavannes - Suíça

Nenhum comentário:

Postar um comentário