quinta-feira, 31 de março de 2016

ATÉ TU, ARIOVALDO RAMOS?

Ariovaldo Ramos esclareceu tudo: o manifesto do Missão na Íntegra é Lulopetista


Por Tiago Oliveira

No dia em que o PMDB rompe com o Governo, tornando a queda de Dilma e Cia mais palatável do que nunca, também presenciamos a saída das sombras do principal idealizador do Manifesto Evangélico do Ministério Missão na Íntegra. O Sr. Ariovaldo Ramos, em evento realizado na Faculdade de Direito do Lago do São Francisco (da USP) leu o manifesto e deu declarações como esta:

“É um privilégio como evangélico e negro ter a possibilidade de lutar contra o golpe. Nós não podemos aceitar a reconstrução de uma senzala que ainda não terminamos de derrubar”.

Observem que Ramos classifica o impeachment - algo constitucional e que o PT endossou contra Collor e solicitou contra FHC - como golpe. Está muito nítido o seu apoio ao atual governo. Governo este que é detentor de uma imoralidade gritante, mas que não é criticado pelo líder do Missão na Íntegra. O seu apoio à agenda petista e seu plano de perpetuação do poder é tanto que ele se coloca dentro do projeto quando em sua frase há um “nós”. Vejamos outra pérola do Sr. Ariovaldo Ramos:

“Somos conservadores com a nossa fé e progressistas na vida social”

Sobre o progressismo a que o Ariovaldo se refere, o pastor e pensador, Guilherme de Carvalho comenta: “(...) há uma grave ambiguidade no uso da ideia de ‘progressismo’ sem a têmpera da noção de ordem criacional (...) e essa ambiguidade destrói a capacidade dos evangélicos progressistas de profetizarem contra os ídolos da esquerda”.[1] Isto é absolutamente observável na postura do líder do ministério Missão na Íntegra e no conteúdo do referido manifesto, que critica o poder judiciário, considerando sua postura excessiva, critica a mídia, acusando-a de alarmista e disseminadora de ódio, critica o elitismo da “ultradireita conservadora”, etc. Só não há nenhuma crítica referente às pedaladas fiscais, ao “petrólão”, a tentativa de obstruir a justiça nomeando o ex-presidente Lula para que se torne ministro e tenha foro privilegiado, enfim, silêncio total frente aos abusos, desmandos e disparates do lulopetismo. Ainda sobre a denominação progressista utilizada por Ariovaldo Ramos, o pastor Franklin Ferreira em sua obra mais recente pontua o seguinte:

Esses cristãos que militam em partidos e grupos de esquerda e extrema esquerda se autodenominam no Brasil de “cristãos progressistas”. Curiosa – e reveladoramente -, os católicos poloneses que apoiavam os nazistas antes da Segunda Guerra Mundial e os comunistas no Pós-Guerra também se chamavam “cristãos progressistas”.[2] 

O progressismo que relativa os absolutos da Escritura e desconsidera a ordem criacional, como bem observou o Guilherme de Carvalho, tende a sintetizar o evangelho com ideologias. O resultado disso é idolatria. Foi exatamente isto o que cegou os católicos poloneses e também luteranos da Alemanha que viram Hitler e o Nazismo como a salvação do povo alemão. Ariovaldo e a corrente que ele representa, a Teologia da Missão Integral (TMI) tem sintetizado o evangelho com postulados marxistas. Com isso, o Evangelho é misturado a elementos não escriturísticos, sofrendo um acréscimo que remete a um culto idólatra e desemboca em apostasia. 

O engraçado é que quando escrevi uma moção de repúdio ao manifesto do Missão na Íntegra, denunciando seu caráter pró-PT, muitos de seus defensores comentaram que minha leitura era desprovida de um real entendimento político, ou me acusaram de má compreensão e até de má intensão. Mas o que dizer agora diante destas frases do Ariovaldo que estão registradas no site oficial do Partido dos Trabalhadores, onde o mesmo se presta junto a outras figuras “evangélicas” a emprestar a sua imagem para apoiar o partido do Governo? Se tais continuarem a dizer que o documento é isento de partidarismo e a favor da democracia, veremos de qual lado está à desonestidade intelectual. Ademais, outro bastião da TMI parece ter se arrependido de ter subscrito o manifesto. Ed René Kivitz em tom de um desabafo desgostoso escreveu:

Lamento profundamente que a chamada Teologia da Missão Integral e o movimento que teve como marco o Pacto de Lausanne, celebrado em 1974, no Congresso Internacional de Evangelização Mundial na Suíça tenham sido indevidamente associados a uma ideologia, um partido político e seus respectivos personagens.[3]

Se o próprio Kivtiz, um dos primeiros nomes que vem a cabeça quando se fala em representantes da TMI no Brasil escancarou a faceta ideológica que corrompeu o termo cunhado em Lausanne, transformando em um braço do esquerdismo latino-americano, negar isso é um atestado de torpor ideolátrico.[4] O mais sensato e corajoso a se fazer é voltar atrás e reconhecer que, tal como classificou a Braulia Ribeiro em seu blog, o manifesto do Missão na Íntegra foi um erro histórico.[5] Continuar defendendo tal manifesto, vou mais além, continuar defendendo a TMI, é cometer suicídio moral e intelectual, maculando um segmento da igreja brasileira que na posteridade será visto como “a ala evangélica que apoiou o governo mais corrupto da história da nossa recente democracia”. Tudo em nome de que? De fazer perdurar uma ideologia que é antagônica ao cristianismo. 

Que Deus se apiede da igreja brasileira!
______________________
Notas:
[1] Esta frase foi retirada do seu perfil pessoal do Facebook. 
[2] Contra a Idolatria do Estado: o papel do cristão na política. São Paulo. Vida Nova, p. 142. 
[3] Publicado em sua página oficial do Facebook. 
[4] Neologismo que denota a idolatria de um sistema ideológico. 
[5] Não Apoio o Manifesto do Missão na Íntegra, disponível aqui.

Fonte: Clique aqui

sexta-feira, 25 de março de 2016

CURSO DE TEOLOGIA À DISTÂNCIA AO SEU ALCANCE

O CTU-LIVRE (Curso de Teologia Universal Livre) possui uma equipe totalmente preocupada com o aprendizado e, assim sendo, esmerou-se na produção de um material de qualidade e desenvolveu uma metodologia de ensino prática e objetiva, a fim de proporcionar aos seus alunos e às suas alunas o máximo de desempenho e aproveitamento das disciplinas propostas pelo Curso.

O CTU-LIVRE (Curso de Teologia Universal Livre), em seu nível BÁSICO, conta com 24 (vinte e quatro) disciplinas, distribuídas em 12 (doze) módulos – cada módulo contendo 01 (uma) apostila com 02 (duas) disciplinas e 02 (dois) DVDs com videoaulas –, num total de 1.090 (mil e noventa) horas-aula. Além disso, possuímos um programa semanal em nosso site (ao vivo), onde tiramos todas as suas dúvidas acerca da disciplina que você está estudando. E não paramos por aí! Você pode também tirar as suas dúvidas através do nosso e-mail, do nosso Grupo no WhatsApp, do nosso site ou através da nossa página oficial no Facebook.

Enviaremos os seus Módulos com os seus DVDs para qualquer parte do Brasil ou do mundo, via Correios ou e-mail. As provas também serão enviadas da mesma forma. 

Informamos, ainda, que o CTU-LIVRE (Curso de Teologia Universal Livre) é recomendado para: membros de igrejas, líderes, obreiros, conferencistas, palestrantes, professores de Escola Bíblica Dominical, estudantes e profissionais de Psicanálise, Psicologia, Antropologia, Direito, História, Filosofia, Líderes de ONGs com trabalhos nos meios populares, seja nas pastorais, seja nos movimentos sociais, e a todas as pessoas que estão comprometidas com os valores éticos, morais e espirituais cristãos.


Confira abaixo o nosso conteúdo programático:


Você poderá estudar tranquilamente no conforto da sua casa e nos horários que mais forem convenientes para você. Se preferir, poderá reunir-se a um grupo de estudo aí na sua cidade, no seu bairro ou mesmo na sua igreja.


MANTENHA CONTATO CONOSCO E OBTENHA MAIS INFORMAÇÕES

E-mail: ctu.livre@gmail.com
WhatsApp: 0041 79 850 3455
Vivo: (73) 99997-1734
Tim:  (73) 99168-4497
Oi:    (73) 98896-9812


E O CERTIFICADO?

Após a conclusão do Curso você receberá, além de um lindo Certificado, um documento com todas as disciplinas e as suas respectivas notas. Mas, lembre-se: o nosso objetivo é transmitir aos nossos alunos e alunas o máximo de conhecimento, com aproveitamento real em cada disciplina apresentada na grade curricular. Assim sendo, ao receber o Certificado você terá a certeza de que ele é um "troféu" alcançado através do seu esforço e pelo conhecimento que você adquiriu e demonstrou através das avaliações.




GANHE DINHEIRO E MAIS O CURSO COMPLETO GRÁTIS

Gostou da proposta? Então torne-se um Coordenador ou uma Coordenadora do CTU-LIVRE (Curso de Teologia Universal Livre) em sua cidade, em qualquer parte do Brasil ou do mundo. Se você tem interesse, envie um e-mail para ctu.livre@gmail.com e diga que quer fazer parte da nossa equipe. Responderemos o mais rápido possível e passaremos as informações necessárias. Se preferir, mantenha contato conosco através do nosso WhatsApp: 0041 79 850 3455 (se você mora na Suíça o número é: 079 850 3455).



EQUIPE DO CTU-LIVRE


I EJAGUI: 02 de abril de 2016


sexta-feira, 4 de março de 2016

FORTALEZA GREGA É ENCONTRADA EM JERUSALÉM


Após um século de buscas, arqueólogos disseram ter descoberto os resquícios de uma antiga fortaleza grega que já foi um centro de poder em Jerusalém e um bastião usado para conter uma rebelião judaica comemorada no livro bíblico (apócrifo) dos Macabeus.
Há tempos os pesquisadores debatem a localização da cidade de Acra, construída mais de dois mil anos atrás por Antíoco Epifânio, rei do império selêucida helênico. Muitos afirmam que ocupava o local onde hoje se encontra a Cidade Velha de Jerusalém, com vista para a Igreja do Santo Sepulcro ou junto à colina onde dois templos judeus estiveram no passado e que hoje abriga o complexo da mesquita de Al-Aqsa.
Mas os restos desenterrados pela Autoridade de Antiguidades de Israel e tornados públicos nesta terça-feira (3) estão do lado de fora dos muros da Cidade Velha e dão vista para um vale ao sul, uma área na qual, segundo os arqueólogos, a construção de Jerusalém se concentrou nos tempos do rei bíblico David.
Antíoco, que viveu entre 215 e 164 a.C., escolheu o local para Acra para poder controlar a cidade e monitorar a atividade no templo judeu, afirmou Doron Ben-Ami, que liderou a escavação.
Com um comprimento estimado em mais de 250 metros e uma largura de 60 metros, ela teria dominado o campo. Debaixo do que uma década atrás era um estacionamento pavimentado, a equipe de Ben-Ami escavou uma colina artificial composta por várias camadas de terra deixadas por sucessivas culturas.
Em uma área, eles descobriram pedras de uma seção de uma grande parede, a base de uma torre e um aterro em declive de fins defensivos que artefatos próximos, como moedas e alças de jarras de vinho, sugerem terem pertencido ao tempo de Antíoco.
Pedras de estilingue de chumbo e pontas de flecha de bronze do período também foram encontradas, talvez remanescentes de batalhas entre forças pró-Grécia e rebeldes judeus que tentavam tomar a fortaleza.
"Este é um exemplo raro de como rochas, moedas e terra podem se juntar em um episódio arqueológico único para abordar realidades históricas específicas da cidade de Jerusalém", afirmou Ben-Ami.
A localização de Acra foi mencionada vagamente em pelo menos dois textos antigos - Livro dos Macabeus, que trata da rebelião, e um relato escrito do historiador Flávio Josefo.