sábado, 9 de julho de 2016

PR. JOSÉ RIBAMAR SOFRE GRAVE ACIDENTE E NETA VEIO A ÓBITO


O Pastor José Ribamar Carvalho dos Santos, presidente da Ciadseta em Araguatins –TO, sofreu um grave acidente na tarde desta sexta-feira, 08, por volta das 16:30, quando retornava de Imperatriz – MA, próximo a cidade de Sítio Novo – TO. No momento do acidente, ele estava acompanhado da esposa, dois netos e uma senhora de Araguatins –TO.

Helen Kalyta, estudante
de medicina, faleceu
no local.
De acordo com o pastor Daniel Vieira, líder da AD Ceadseta em Imperatriz, para não colidir de frente com outro veículo que vinha em sentido contrário, ele teria jogado o veículo para o acostamento e captou o veículo. A sua neta de 19 anos, Helen Kalyta, estudante de medicina, veio a óbito ainda no local. Já o pastor José de Ribamar, quebrou o maxilar e precisa passar por uma cirurgia. Ele está internado no Hospital São Rafael em Imperatriz –MA.

“Ele está com o rosto inchado, o olho está machucado e vai precisar passar por uma cirurgia. O estado clínico do pastor José de Ribamar é estável. Já a irmã Socorro passa bem”, disse o pastor Daniel Vieira, que está dando o apoio ao pastor José Ribamar, em Imperatriz –MA.

O corpo da estudante Helen Kalyta (20), está no IML da cidade de Imperatriz –MA, aguardando liberação.

Mais informações sobre o estado clínico de saúde do pastor José Ribamar a qualquer momento.

Fonte: JMNOTÍCIA

terça-feira, 5 de julho de 2016

“MACONHEIROS DE JESUS” USAM DROGA PARA ESTUDAR A BÍBLIA

Um grupo de cristãos da cidade Centennial, Colorado (EUA), está chamando atenção por defender que a maconha os aproxima de Deus. Como o nome de “Stoner Jesus”, algo como “Maconheiros de Jesus”, convida “os estudantes da Palavra” para usar marijuana como uma maneira de lhes ajudar a entender os textos bíblicos.
Tudo começou quando Deb Button, 40 anos, casada e com dois filhos, precisou lidar com o divórcio. Ela diz que nunca havia usado drogas, mas aceitou o convite de um amigo. No Colorado, a venda do entorpecente é legalizada.
“Quando eu comecei a fumar me senti tão ligado a Deus”, conta ela. Entusiasmada, começou a divulgar os encontros do grupo na internet e rapidamente atraiu interessados. Aos poucos, a ideia foi se espalhando e hoje reúne além de evangélicos, mórmons, católicos, um ortodoxo grego e até um ateu! “Acho que essa planta é sagrada”, dispara Joye.
Os outros participantes têm suas próprias experiências. “Quando eu estou drogado, não consigo ler rápido, então olho para cada palavra”, disse Cindy Joye, uma das participantes.
“Penso no que cada uma delas significa”, explica. “Jesus não saia com os fariseus, mas com pecadores”, insiste Joye. “Se alguém lhe oferecesse um baseado, ele não diria que não.”
Já Mia Williams, que também participa dos encontros, faz uma defesa enfática.
“A Bíblia não diz que você não pode fumar maconha”, dispara. Ela afirma que foi criada em uma igreja batista conservadora, mas hoje não vê problema no consumo da droga. Cita Gênesis 1:29: “Eis que dou a vocês todas as plantas que nascem em toda a terra e produzem sementes'”, convenientemente deixado de fora a parte do versículo que explica que eram para alimento, não para fumo.
O que chama mais atenção nessa situação é o destaque que a mídia deu ao caso, celebrando como se fosse uma espécie de evolução ou tendência entre os jovens.
Nos Estados Unidos já existe até uma igreja que tem como sacramento a maconha. A Primeira Igreja dos Cannabis, no estado de Indiana é reconhecida pelo governo, mas não se define como uma igreja cristã, tendo sua própria filosofia.
Embora a Bíblia de fato não fale sobre a maconha ou outras drogas de maneira específica, existem muitas recomendações no Novo Testamento sobre a suficiência em Jesus. Ou seja, qual benefício uma droga que altera os sentidos poderia trazer a vida de uma pessoa?
A colunista Jennifer Leclaire, da revista Charisma, comentou a situação esta semana. Ela lembra que em contraponto aos frutos do Espírito Santo, as Escrituras falam sobre os frutos da carne: “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são […] feitiçaria” (Gl 5.19-20).
O termo grego que aparece como “feitiçaria” na maioria das traduções, no original grego é pharmakeia e pode significa “o uso de drogas de envenenamento ou intoxicação, feitiçaria, artes mágicas”. É a mesma raiz da palavra “farmácia” também chamada de “drogaria”.
Obviamente os tempos são outros e existem muitos medicamentos benéficos, mas o uso de substâncias que alteram a consciência na busca do sagrado tem suas origens em cultos pagãos antigos.
Uma olhada rápida nas ferramentas de busca na internet mostra que existem vários sites brasileiros lidando com a questão se é permitido um evangélico fumar maconha.
Embora o foco da política atual seja a possibilidade de impeachment da presidente Dilma, o Supremo Tribunal Federal (STF) está prestes a descriminalizar o consumo de drogas no Brasil.
Assim como ocorreu com o casamento homossexual, uma eventual aprovação do STF fará com que a questão das drogas seja imposta sobre a sociedade como o “natural” e a igreja precisará lidar com isso.
Não é por acaso que a maioria dos centros de tratamento de usuários de droga é mantido por igrejas. Segundo diferentes pesquisas, o uso da maconha é geralmente um primeiro passo, que conduz ao uso de substâncias cada vez mais fortes, como cocaína ou crack.

Fonte: GOSPELPRIME