12 DIAS DE CLAMOR POR 12 MESES DE VITÓRIA

Estarei pregando nos cinco primeiros dias do mês de janeiro de 2018 na Campanha 12 DIAS DE CLAMOR POR 12 MESES DE VITÓRIA, que será realizada na Casa de Paz (Maison de Paix), aqui em Bruxelas, Bélgica. Veja mais informações no cartaz abaixo.


  

MINHA MISSÃO

ESTOU FAZENDO ALGUMAS MUDANÇAS EM NOSSO BLOG. BREVE INFORMAREI COM DETALHES A MISSÃO QUE O SENHOR DEUS ME CONFIOU. AGRADEÇO A SUA COMPREENSÃO. 


MEUS LIVROS

1 - OPERAÇÃO SUÍÇA: MISSÕES NO PARAÍSO - Já publicado.

2 - A FANTÁSTICA CIDADE DE JORGE AMADO - Em andamento (ainda não publicado).

3 - ESCATOLOGIA SIMPLES E DESCOMPLICADA - Em andamento (ainda não publicado).

MEUS NETOS: JOÃO GABRIEL E BENÍCIO



NINRODE, SEMÍRAMIS E TAMUZ: A TRINDADE PROFANA





Tudo começou quando logo após o dilúvio, a Bíblia conta que Noé se embriaga com vinho e adormece: E bebeu do vinho, e embebedou-se; e descobriu-se no meio de sua tenda. E viu Cão, o pai de Canaã, a nudez do seu pai, e fê-lo saber a ambos seus irmãos no lado de fora. Então tomaram Sem e Jafé uma capa, e puseram-na sobre ambos os seus ombros, e indo virados para trás, cobriram a nudez do seu pai, e os seus rostos estavam virados, de maneira que não viram a nudez do seu pai. E despertou Noé do seu vinho, e soube o que seu filho menor lhe fizera. E disse: Maldito seja Canaã; servo dos servos seja aos seus irmãos. E disse: Bendito seja o SENHOR, Deus de Sem; e seja-lhe Canaã por servo. Alargue Deus a Jafé, e habite nas tendas de Sem; e seja-lhe Canaã por servo” (Gênesis 9.21-27). De Cam (ou Cão), e seu filho Canaã, surgiram os povos jebuseus e cananeus ou cananitas. Cam teve outro filho, chamado Cuxe. Cuxe por sua vez se casa com uma mulher chamada Semíramis  e com ela tem um filho chamado Ninrode (Gênesis 10.8). O nome Ninrode significa “os que se rebelaram”, “revolta”. Ele foi a exata personificação da desobediência. Fazia tudo ao contrário da vontade de Deus.

Dentre outras cidades, Ninrode edificou Nínive e Babel, que mais a frente na história, se tornaria o que chamamos hoje de Babilônia. Ele foi o primeiro líder a se auto-intitular “deus”. Ele ajuntou as pessoas em Babel (contradizendo a vontade de Deus de “Frutificar e multiplicar e encher a terra” (Gn 9.1), e as obrigava a adorá-lo como o “deus sol”.

Não sendo o bastante a tentativa de construir uma torre que chegasse ao céu, Ninrode desobedece as leis de Deus mais uma vez: ele toma sua própria mãe, Semíramis  como esposa. Semíramis  agora que se casou com o “deus sol”, começa a se auto-intitular “deusa lua”. Quando vê que Ninrode não tem limites na sua desobediência, Sem, filho de Noé e tio avô de Ninrode, mata-o com esperança de acabar com tudo aquilo. Mas como um deus pode morrer? O povo começou a questionar e Semíramis, para evitar confusões, diz que ele não morreu, apenas voltou para seu lugar de origem; afinal, se tivesse morrido mesmo, o sol não continuaria brilhando. Pouco tempo depois, Semíramis descobre que está grávida. Mas isso não é possível, afinal seu filho-marido está morto. Ela mente novamente, desta vez para encobrir seu adultério, dizendo que o espírito de Ninrode, o “espírito de deus” a engravidou. Semíramis chama seu filho de Tamuz, e para continuar o engano, ela diz que ele é o próprio Ninrode. Daí surge a primeira ideia reencarnacionista. Um certo dia, quando estava num bosque, Tamuz morre acidentalmente, e seu corpo é encontrado em cima de um tronco. Mais uma vez: como um deus morre? E Semíramis  de novo, diz que ele voltou para o seu lugar de origem. Esta se tornou a Trindade Profana: Ninrode (pai); Semíramis (mãe) e Tamuz (o filho).

Após a destruição se Babel, e mais tarde da Babilônia, o povo de Ninrode começou a migrar pelo mundo, conquistando outros povos e ensinando-lhes suas crenças pagãs. Da Babilônia, eles vão para a Pérsia. Agora Ninrode, Semíramis e Tamuz são uma Trindade que era representada da mesma forma que a Egípcia. Cai a Pérsia e começa a surgir um novo Império através de Alexandre. Com isso, a Grécia começa a crescer e a trindade se disfarça novamente: Ninrode se torna Zeus; Semíramis, Afrodite e Tamuz agora é Eros


Zeus (Ninrode), Afrodite (Semíramis) e Eros (Tamuz)

Mais uma vez, cai a Grécia e eles migram para o Egito. Surge então Osíris (Ninrode), Ísis (Semíramis) e Hórus (Tamuz).


Osíris (Ninrode), Ísis (Semíramis) e Hórus (Tamuz)

Depois surge o Império Romano, e eles, mais uma vez, se disfarçam de Saturno (Ninrode), Vênus (Semíramis) e Cupido (Tamuz).


Saturno (Ninrode), Vênus (Semíramis) e Cupido (Tamuz)

Não tem como errar: é sempre a figura do pai, a mãe e o filho. A mesma história de incesto, com algumas modificações para disfarce. Aproximadamente no século III da era cristã, os católicos começaram uma sincretização religiosa, com esperança de conquistar cada vez mais adeptos. Começaram a introduzir imagens de escultura nas igrejas e nas crenças, a fim de facilitar a aceitação dos povos pagãos à nova religião. E, acredite se quiser, hoje, a trindade profana está disfarçada assim:



Sabemos que, biblicamente falando, a verdadeira Trindade é o Deus Pai, o Deus Filho (o Senhor Jesus Cristo) e o Deus Espírito Santo. Sabendo disso, fica mais fácil ver o engano católico e perceber o disfarce demoníaco.

Fonte: ocsorgs.blogspot.ch

BIANCA PAGLIARIN: DAS PASSARELAS ÀS DROGAS (TESTEMUNHO)

Bianca Pagliarin | Reprodução 


A radialista Bianca Pagliarin é filha do Pastor Juanribe Pagliarin, fundador da Comunidade Cristã Paz e Vida. Ela já foi modelo e chegou a desfilar com Gisele Bündchen e Alessandra Ambrósio, até passar a frequentar baladas, ingerir bebidas alcoólicas e usar drogas. 

Graças a Deus a fase de trevas na vida de Bianca Pagliarin foi superada e o seu testemunho serve para muitos jovens que escolhem andar por caminhos errados. Vale salientar que Bianca passou a usar bebidas alcoólicas e drogas apenas por curiosidade. 

Clique no vídeo abaixo e confira o testemunho de queda, resgate e superação de uma ex-modelo que hoje serve ao Senhor Jesus Cristo, para a honra e glória do nosso Deus e Pai.   




Fonte do vídeo: Canal Vida Boa (YouTube)

A SÍNDROME DA GABRIELA E AS FILHAS DE ZELOFEADE

Imagem: Gabriela - Cravo e Canela (Obra de Henrique Passos)

Por Pastor Hafner


O texto abaixo foi baseado em uma pregação que fiz na Comunidade Cristã Ministère Maison de Paix, aqui em Bruxelas (Bélgica), no dia 03 de dezembro de 2017. 


Algumas empresas tem tratado com muita seriedade a Síndrome da Gabriela, pois a falta de inovação tem trazido grandes prejuízos. Estudando o assunto, constatei que dentro de algumas igrejas há crentes com esse mesmo tipo de problema – podendo até ser um problema da própria liderança. Já agradecendo a vossa preciosa visita ao nosso Blog, solicito-lhe que leia o texto, reflita e opine.   


"Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim... Gabriela...". O trecho da música composta por Dorival Caymmi fez muito sucesso na década de 1970 na voz de Gal Costa, quando foi tema da personagem central da novela Gabriela – uma adaptação para a televisão da obra "Gabriela, Cravo e Canela" de Jorge Amado. Gabriela, segundo a trama escrita em 1958 pelo autor baiano, foi uma mulher que não conseguiu se adaptar aos padrões sociais impostos pela sociedade da época e lugar em que viveu – anos 1920, em Ilhéus, Sul da Bahia. Vale salientar que Gabriela nunca existiu. De qualquer forma, a decisão da personagem em manter o seu jeito um pouco rude e não se enquadrar ao modus vivendi de uma cidade onde não havia nascido e crescido, serve de exemplo para definir pessoas com o mesmo comportamento obstinado; pessoas que não são abertas às mudanças, pois possuem mentes inflexíveis. Daí dizer-se que essas pessoas possuem a Síndrome da Gabriela. É como se elas sempre declarassem: "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim...". 

Em muitas igrejas, por incrível que pareça, há muitos crentes que possuem a Síndrome da Gabriela, pois nunca tomaram posse da vida abundante que o Senhor Jesus já lhes concedeu (Cf. João 10.10b) – não me refiro aqui à riqueza terrena, pois sou averso à Teologia da Prosperidade. Falo daqueles irmãos e irmãs que, uma vez tendo alcançado a salvação eterna e estando debaixo das promessas de Deus, continuam levando uma vida tacanha, sofrida. São crentes que creem que vão morrer da forma que nasceram, pois continuam sem perspectiva de vida; não tomam posse das promessas e da herança que já lhes foram garantidas. As filhas de Zelofeade não eram assim. Elas, com toda a certeza, não possuíam a Síndrome da Gabriela. Mas, quem foram as filhas de Zelofeade? Vejamos abaixo o que a Bíblia diz sobre elas no Livro dos Números (Nm 27.1–7)

E chegaram as filhas de Zelofeade, filho de Héfer, filho de Gileade, filho de Maquir, filho de Manassés, entre as famílias de Manassés, filho de José (e estes são os nomes de suas filhas: Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza); e puseram-se diante de Moisés, e diante de Eleazar, o sacerdote, e diante dos príncipes e de toda a congregação, à porta da tenda da congregação, dizendo: Nosso pai morreu no deserto e não estava entre a congregação dos que se congregaram contra o SENHOR na congregação de Corá; mas morreu no seu próprio pecado e não teve filhos. Por que se tiraria o nome de nosso pai do meio da sua família, porquanto não teve filhos? Dá-nos possessão entre os irmãos de nosso pai.

E Moisés levou a sua causa perante o SENHOR.

E falou o SENHOR a Moisés, dizendo: As filhas de Zelofeade falam retamente; certamente lhes darás possessão de herança entre os irmãos de seu pai; e a herança de seu pai farás passar a elas. (...)


Ilustração: Filhas de Zelofeade à porta da tenda


Zelofeade havia morrido no deserto de Moabe juntamente com todos que murmuraram contra o SENHOR (Nm 14.35). Ele não teve filho homem, apenas filhas, e, segundo a lei daquela época, filhas mulheres não tinham direito à herança. Todavia, as filhas de Zelofeade – Macla, Noa, Hogla, Milca e Tirza – não se conformaram com a situação, mesmo estando em luto e angustiadas devido a morte do pai. Sabiam que sobre elas repousava a promessa de Deus de herdarem a terra prometida de Canaã, pois eram descendentes de "José do Egito". Elas não se acomodaram e nem temeram. Contudo, não recorreram a tribunais simplesmente humanos, mas se posicionaram de pé à porta da tenda, diante de Moisés, do sacerdote Eleazar, dos príncipes e de toda a congregação (Nm 27.2). 

Elas poderiam ter aceitado a situação imposta por uma lei que nunca havia sido questionada. Poderiam ter dito que haviam nascido mulher e, sendo assim, deveriam aceitar tal condição. Acontece que elas não tinham a Síndrome da Gabriela. Sabiam muito bem que o SENHOR é justo e, portanto, não as privaria de uma promessa feita aos seus antepassados. Elas tomaram posse de uma herança antes mesmo da lei ter sido alterada por Deus.  

Crentes que creem nas promessas do SENHOR e conhecem a Sua fidelidade permanecem firmes, como vendo o invisível, e mudam de atitude sempre que necessário. Eles não se conformam com as situações que os remetem para a derrota. Lembremos da mulher do fluxo de sangue (Mt 9.19-22; Mc 5.25-34; Lc 8.43-48). Ela padeceu por longos doze anos de um fluxo de sangue e gastara todos os seus recursos com os médicos, e por nenhum pudera ser curada. Se ela tivesse a Síndrome da Gabriela, certamente não teria tomado a atitude que tomou. Ainda sangrando, arriscou-se no meio de uma grande multidão para mudar a situação na qual vivia por tanto tempo. A fé dela no Senhor Jesus foi tão grande que nada a impediu de enfrentar os obstáculos, não só físicos, mas, também, legal, tendo em vista que uma mulher com hemorragia deveria permanecer isolada da sociedade, não podendo tocar em ninguém. Ela foi curada por que não tinha em mente "...eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim" que impõe derrotas à muita gente.   

O cego Bartimeu é outro exemplo de alguém que não tem a Síndrome da Gabriela. Ele não aceitava continuar vivendo da mesma forma que vivia desde criança. Ao ouvir falar do Senhor Jesus e sobre os milagres que Ele vinha realizando por onde passava, Bartimeu não só acreditou, mas, também, se colocou na posição correta e tomou a atitude necessária para tomar posse da sua vitória (Mc 10.46-52).  

Infelizmente ainda há crentes que não acordaram para o fato de que são filhos e filhas de Deus, e, portanto, são herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo (Cf. Rm 8.16). Conhecem o Salmo 23, mas não internalizaram a mensagem do texto. Essas pessoas participam de inúmeras campanhas, mas sempre acabam vazias e deprimidas. Geralmente são frias durante os Cultos e se sentem excluídas de todas as promessas proclamadas na Bíblia Sagrada. Em lugar da cruz de Cristo, teimam em carregar a cruz da depressão e do desespero. É possível que até creiam que no céu vão andar cabisbaixas. Eu sei que o Senhor Jesus nos avisou que neste mundo teríamos aflições. Todavia, Ele nos disse para termos bom ânimo, pois Ele venceu o mundo (Cf. Jo 16.33).

A minha oração é para que todos os crentes salvos vivam em profunda alegria, apesar das circunstâncias desfavoráveis que este mundo nos proporciona. A alegria da salvação deve superar os momentos de tristeza e nunca deve cessar em nossos corações. Sabedor dessa verdade, Davi escreveu: "Torna a dar-me a alegria da tua salvação..." (Sl 51.12). Mesmo tendo sido perdoado do seu pecado, Davi sabia que sem a alegria da salvação não seria possível seguir adiante. Mas, claro, ele queria mudança e, portanto, clamou: "Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; apaga as minhas transgressões, segundo a multidão das tuas misericórdias. Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado..." (Sl 51.1,2). 

Davi, ainda que em um outro contexto, agiu como as filhas de Zelofeade, ou seja, não se conformou com a situação na qual havia entrado. Ele continuou clamando: "Purifica-me com hissopo, e ficarei puro; lava-me, e ficarei mais alvo do que a neve... Cria em mim, ó Deus, um coração puro e renova em mim um espírito reto." (Sl 51.7,10). 


Se  Davi tivesse a Síndrome da Gabriela, ao invés do Salmo 51, talvez ele tivesse escrito o seguinte: "Eu nasci assim, eu cresci assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim...". Isso o teria impedido de ser um homem segundo o coração de Deus (Cf. I Sm 13.14) e, por consequência, a história da sua vida teria sido outra. Sendo assim, concluímos que andar na contramão do que fizeram as filhas de Zelofeade (Nm 27.1-11), a mulher do fluxo de sangue (Mt 9.19-22; Mc 5.25-34; Lc 8.43-48), Bartimeu (Mc 10.46-52) e Davi (Sl 51.1-19)
 é perder a oportunidade de viver uma vida abundante, cheia de muita paz, alegria e esperança, já garantida na Cruz do Calvário pelo nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.                   
  
                       

RACHEL JOY SCOTT: UMA VIDA COM PROPÓSITO

Foto: Reprodução



Ontem, numa tarde chuvosa e fria aqui em Bruxelas (Bélgica), parei para assistir ao filme Uma Vida Com Propósito, juntamente com a minha esposa e com os nossos jovens irmãos em Cristo, Albimara e Alex. 

O filme, dirigido por Brian Baugh e originalmente intitulado I'm Not Ashamed (Eu Não Tenho Vergonha), é baseado na história real e no diário de Rachel Joy Scott, a primeira estudante assassinada por Dylan Klebold e por Eric Harris no massacre de Columbine em 1999 nos Estados Unidos da América.

O filme é dramático e nos dá uma forte ideia do que aconteceu na vida real, quando dois jovens colocaram em prática um plano diabólico e assassinaram alguns jovens, dentre eles Rachel Scott, antes de cometerem suicídio. 

Segundo informações da WikipédiaRachel Scott "tem sido uma inspiração para vários livros e também é a inspiração para o Rachel's Challenge, um programa internacional de extensão escolar e o programa mais popular de reunião escolar dos Estados Unidos, com o objetivo de defender a crença de Rachel, baseado em sua vida, em seus diários e no conteúdo de uma redação de duas páginas que foi escrita um mês antes de seu assassinato, intitulada My Ethics; My Codes of Life, que tinha defendido a crença de Rachel por compaixão, sendo 'a maior forma de amor que os seres humanos têm a oferecer'."

"Devido ao fato de Rachel Scott e Anne Frank terem morrido em uma idade jovem por causa da intolerância e do ódio de outras pessoas, e as duas meninas terem escrito sobre seus desejos de mudar o mundo para melhor através dos simples atos de amor e bondade, paralelos foram desenhados entre os diários que Rachel Scott havia escrito em sua curta vida e The Diary of a Young Girl, de Anne Frank."

Para não cometer spoiler, vou evitar comentar o filme. Porém, deixo a indicação, principalmente para os adolescentes e jovens evangélicos, pois trata-se do testemunho de uma jovem que tinha um nobre propósito de fazer o bem e conduzir pessoas ao Senhor Jesus Cristo, embora tenha passado por alguns probemas e crises existenciais inerentes à idade.

O filme Uma Vida Com Propósito pode ser visto no YouTube através do seguinte link: https://www.youtube.com/watch?v=_eRpvmueaas


QUEM INCITOU DAVI CONTRA ISRAEL, DEUS OU SATANÁS?

Imagem: Reprodução

Davi, como bom pastor, é uma figura de Cristo no Velho Testamento. Quando ainda muito jovem ele cuidava do rebanho de ovelhas do seu pai, e aprendera a cultivar as virtudes necessárias para ser um bom pastor. Nisso Deus o preparou para mais tarde ser o rei de Israel, e pastorear aquele Seu rebanho. Foi também o aprendizado pelo qual passaram Moisés e o profeta Amós.
Depois de ser ungido e aclamado rei, Davi expulsou os inimigos que oprimiam o povo, ganhou para eles uma capital, Jerusalém, onde consolidou o culto a Deus no tabernáculo, levou para lá a arca do concerto com grande júbilo e instituiu ordem nas fileiras de sacerdotes e levitas, corais e acompanhamento instrumental. Dotado ele próprio de grande talento poético e musical, ele compôs grande parte dos salmos (literalmente: o arranhar dos instrumentos de cordas), inclusive o célebre Salmo 23 que trata do Senhor como Bom Pastor.
A sua fidelidade ao SENHOR, o Deus de Israel, e ao cumprimento das Suas leis e preceitos foi exemplar, ao ponto de ser o alto padrão mediante o qual foram medidos todos os seus descendentes no trono de Judá. Embora fosse um homem segundo o coração de Deus, ele tropeçou algumas vezes, e dois dos seus pecados, revelados na Bíblia, se salientam pelas conseqüências funestas que lhe trouxeram.
O primeiro (2 Samuel 11) nos escandaliza por causa da imoralidade de Davi e nos espanta pela solução encontrada por ele na morte de Urias. Aos olhos de Deus, porém, a gravidade maior foi a injustiça praticada por Davi. Essa injustiça foi ilustrada pela parábola do profeta Natã (2 Samuel 12:1-4). Davi se enfureceu com o rico da parábola, dizendo que era digno de morte por ter matado a única cordeira de estimação do pobre (notem o objeto - uma ovelha - o que mais tocaria o coração de um pastor). Quando Natã mostrou que Davi havia feito o mesmo que o rico, ao matar Urias e tomar para si a sua mulher, ele percebeu a maldade do que havia feito, confessou o seu pecado e o Senhor o perdoou.
Mas as conseqüências vieram mais tarde com o escândalo promovido pelo seu filho Absalão, e a morte da criança que teve com a mulher de Urias. É um dos exemplos onde vemos que, embora Deus perdoe o pecador arrependido, maus efeitos ainda poderão surgir do seu pecado.
O seu segundo pecado (2 Samuel 24 e 1 Crônicas 21) foi muito mais sério e devastador em suas conseqüências, e é evidenciado ainda mais por ser também mencionado no livro de Crônicas.
Para respondermos à presente pergunta, devemos nos referir a esses dois capítulos. Nos primeiros versículos, encontramos o que parece ser uma discrepância: “A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel, e ele incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá” - (2 Samuel 24:1). Se Davi estava obedecendo a uma ordem do SENHOR, como poderia estar pecando?
No entanto, lemos em 1 Crônicas 21:1: “Então, Satanás se levantou contra Israel e incitou Davi a numerar a Israel.” Combinando os dois, descobrimos que “A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel, “e com a Sua permissão” Satanás se levantou contra Israel e incitou Davi a numerar a Israel” (que incluía Judá naquele tempo). Compreendemos assim que:
  1. A ira do SENHOR se tornou a acender contra Israel: não nos é dito o motivo, nem quando, mas é certo que o povo de Israel como um todo estava seriamente em falta e precisava de um corretivo.
  2. Para punir Israel, o SENHOR usou Satanás para tentar o seu rei. Satanás não podia tocar em Israel sem ter a permissão de Deus, mas teve a perspicácia de ver que através do seu rei Davi ele poderia subverter o povo. Então Satanás instigou Davi, não sabemos como, para numerar o povo.
Davi foi tentado e Satanás deve ter observado que, naquela altura dos acontecimentos, Davi aparentemente tinha dois pontos fracos: auto-satisfação e falta de confiança em Deus. Houve grande sutileza na tentação, pois o ato de numerar o povo não era pecaminoso, desde que fosse de acordo com a vontade de Deus.
Tudo indica que o recenseamento foi motivado pelo desejo de Davi em conhecer o efetivo do seu exército, para aquilatar o seu poder de combate, esquecendo-se que as vitórias foram obtidas unicamente mediante a graça e o poder de Deus.
Assim diz o SENHOR: Não se glorie o sábio na sua sabedoria, nem se glorie o forte na sua força; não se glorie o rico nas suas riquezas. Mas o que se gloriar glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o SENHOR, que faço beneficência, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o SENHOR” (Jeremias 9:23-24). O SENHOR não Se agradou quando Davi mandou contar o povo, porque Davi não estava se gloriando no SENHOR, mas em sua força. O que o motivou foi então o pecado de descrença. Davi estava confiando em números ao invés de confiar em Deus. O SENHOR havia dado instruções a Moisés sobre o recenseamento do povo: quando fosse feito, cada um dos recenseados tinha que pagar o resgate de meio siclo como oferta ao SENHOR, para que não houvesse praga entre o povo (Êxodo 30:11-15). Não vemos menção disto aqui e é possível que tenha sido esquecido.
Tantas vezes Davi havia consultado o SENHOR sobre importantes medidas que devia tomar e o SENHOR lhe dera a resposta. Desta vez ele não consultou o SENHOR, mesmo quando Joabe procurou demovê-lo, percebendo o motivo pecaminoso de Davi.
Não tendo conseguido dissuadir Davi, Joabe levou avante o recenseamento, mas não o fez por completo porque “a palavra do rei foi abominável a Joabe”, ele só contou os homens hábeis para a guerra e omitiu os das tribos de Levi e Benjamim.
Deus mostrou Seu desagrado ferindo a Israel. Davi então percebeu o alcance do seu pecado, e pediu que Deus tirasse a iniqüidade dele, pois procedera loucamente. Mas já era tarde! Entre os três castigos que o SENHOR lhe propôs, Davi optou por cair ele próprio “nas mãos do SENHOR, pois são grandes as Suas misericórdias”. Porém o SENHOR mandou uma peste a Israel, mas a deteve em Jerusalém, onde Davi ofereceu um holocausto e ofertas pacíficas a mandado do SENHOR.
Concluindo, vemos que tudo surgiu porque Deus Se desagradou com o povo, e o povo foi castigado quando as causas foram descobertas: a auto-satisfação e a falta de confiança para com Deus, demonstradas pelo seu rei. Davi, embora não tivesse sofrido fisicamente, ficou angustiado por causa do sofrimento do povo, por um pecado que ele atribuiu a si próprio: “Não sou eu o que disse que se contasse o povo? E eu mesmo sou o que pequei e fiz muito mal; mas estas ovelhas que fizeram? Ah! SENHOR, meu Deus, seja a tua mão contra mim e contra a casa de meu pai e não para castigo de teu povo”. Era o bom pastor agoniado sentindo-se responsável pelo sofrimento das suas ovelhas.
Nunca confiemos em estatísticas para verificarmos a “nossa” vitória espiritual, os “nossos” recursos materiais e espirituais, o número das “nossas” igrejas, para então nos regozijarmos em “nossos” esforços. Isto depõe contra nossa dependência no Senhor da seara e nos faz confiar em nossas próprias forças. “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” (Salmo 127:1). Como é perigoso fazer do ministério um ídolo, e tornar a obra mais importante do que o Senhor da seara.
Quantas vezes, nas reuniões administrativas de nossas igrejas locais, deixamos de mencionar as bênçãos materiais e espirituais recebidas para nos envolver inteiramente em contar os fundos disponíveis, o número de batismos durante o período e quantos membros a mais foram adquiridos. Se os algarismos nos contentam, achamos que foi uma grande vitória espiritual de nossa parte, enquanto que, ao invés disso, poderia se constituir na pior coisa possível de acontecer: deixar de ser uma igreja espiritual para se tornar num clube carnal.
Davi sabia que estaria bem nas mãos de Deus. Confiemos também nEle quando passamos por provações. “O Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho” (Hebreus 12:6).


Boletim dos Obreiros


ARREPENDIDO DEVOLVE O QUE ROUBOU: "ME SEPAREI DE DEUS..."

Foto: Reprodução 

CORREIO*

...Um homem que furtou um carro e eletrônicos que estavam no veículo em Guarapuava, acabou se arrependendo do crime e resolveu tentar consertar a história.
O veículo foi roubado no sábado (7) por volta das 20h30. Imediatamente, o técnico em informática Thiago Sene fez campanha nas redes sociais e registrou queixa do furto. Cerca de três horas depois, o veículo foi encontrado em um estacionamento de uma loja, a aproximadamente de dois quilômetros do local do furto. No entanto, os pertences que estavam dentro do veículo - um tablet, um aparelho de dvd e uma bateria de celular - não foram achados.

TERIANTROPIA: JOVEM DIZ QUE É UMA GATA PRESA EM CORPO HUMANO

Reprodução | NRK P3

GOSPELPRIME
por Jarbas Aragão
Na Europa, após a conquista de direitos iguais para homossexuais e, em alguns países, para transgêneros, outro movimento parece ganhar força. A teriantropia seria um “passo adiante” na questão transgêneros. Pessoas poderiam em nome da “construção” da sua identidade, descobrir-se um animal. Já existe até uma nomenclatura para isso: “transespécie”.
O caso mais recente a receber atenção é o de uma mulher na Noruega chamada Nano. Aos 20 anos ela acredita que “nasceu na espécie errada” e afirma que, na verdade, é uma gata presa em um corpo humano.
O canal NRK P3 mostrou em reportagem especial o caso da mulher, que se veste com orelhas de gato e um rabo falsos. “Fui um gato toda a minha vida, mas só assumi aos 16 anos quando médicos e psicólogos descobriram o que havia “dentro” de mim”, disse ela.
Para a jovem, é um “defeito genético”. Com aceitação da família, em casa ela anda de quatro e fica ronronando e miando. Afirma que tem medo de cachorros e que já tentou caçar ratos. Acredita ainda que tem a audição e a visão aguçada dos felinos.
Questionada sobre seu estilo de vida, ela quer aceitação da sua condição. Asseverou que “É cansativo, mas você se acostuma a viver com os instintos de gatos”. Explica que já recebeu ajuda de psicólogos, mas decretou: “vou ser gato toda a minha vida.”

Caso semelhante na França


Meses atrás, foi amplamente divulgado o caso da francesa Karen, que nasceu homem, fez operações para mudar de sexo e agora quer viver como um animal, mais especificamente um cavalo. Ele(a) conta que essa ideia o persegue desde que tinha sete anos de idade.
“Estrela” de um documentário sobre o tema, ela afirma veementemente: “Eu tenho um cavalo dentro de mim”. O que pode parecer loucura na verdade é algo cada vez mais comum. Já existe inclusive um encontro chamado pony-play. As pessoas fingem ser, de fato, um animal, andam de quatro com uma sela nas costas, trotam, e puxam uma espécie de charrete! Com informações de Christian News

SÃO OS TRAPACEIROS ASTRONAUTAS?


Eu já contei em outra postagem como me tornei ateu após ler o livro "Eram os Deuses Astronautas?", do teórico, escritor e arqueólogo suíço Erich Anton Peter von Däniken. Erich von Däniken também é um dos idealizadores de Alienígenas do Passado, série televisiva americana transmitida pelo History Channel. Claro que também contei na mesma postagem, caso você não tenha lido, como Deus me arrancou da escuridão do ateísmo e me trouxe para a Sua maravilhosa luz  Foi quando percebi as mentiras ardilosas do pseudocientista suíço. 

O fato é que "há um só Deus" (1 Tm 2.5), e, com toda a certeza, Ele nunca foi astronauta. Contudo, a proposta aqui não é analisarmos e provarmos a existência de Deus, mas, sim, sabermos se os astronautas são trapaceiros ou se são homens que realmente foram ao espaço. Parece loucura, não é? Principalmente se você cresceu sonhando em viajar pelo espaço após ter assistido dezenas de filmes produzidos por Hollywood e de ter visto diversas imagens produzidas pela NASA (National Aeronautics and Space Administration), uma agência do governo americano, criada no dia 29 de julho de 1958, que tem por objetivo pesquisar e desenvolver tecnologias e programas de exploração espacial, com a missão de desenvolver o futuro na pesquisa, descoberta e exploração espacial. Parece tudo muito bonito, não é verdade? Pois há quem não ache. Aliás, tem muita gente afirmando que a NASA é uma farsa; que o homem não foi à Lua; que astronautas não passam de trapaceiros que nunca saíram da Terra; que a Terra não é um globo... Não ria, pois a coisa é séria. 

A internet está "estrelada" de sites e vídeos que mostram as supostas artimanhas criadas pela NASA com a finalidade de enganar o mundo inteiro, inclusive o próprio governo americano. É por isso que há cidadãos americanos tentando provar que a agência espacial mais famosa do planeta é, na verdade, uma devoradora de muitos bilhões de dólares vindos dos impostos pagos pelo povo dos Estados Unidos da América. Cidadãos e cidadãs de várias partes do mundo também tentam exaustivamente provar que a NASA e agências espaciais de outras nações estão omitindo informações e promovendo factoides para a manutenção de uma grande farsa que perdura há décadas. E não pense que é gente que não tem o que fazer ou desprovida de conhecimento científico que está participando desse movimento. Há, por exemplo, muitos físicos e geólogos engrossando o caldo das denúncias. 

Eu tenho a minha própria opinião sobre o assunto em tela, e, diga-se de passagem, tenho muito interesse em abordá-lo. Sendo assim, resolvi desenvolver esta postagem e a intitulei "São os Trapaceiros Astronautas?", a fim de confrontar o título "Eram os Deuses Astronautas?", do livro de Erich von Däniken. Isso me dá um certo gostinho de vingança daquele que contribuiu para que eu mergulhasse cegamente no ateísmo. Culpa dele? Claro que não! Culpa da minha ignorância. Mas, mesmo assim, ele merece ser confrontado, pois permanece sustentando as suas teorias fajutas.

Segundo o Dicionário inFormal, "trapaceiro é o indivíduo que faz trapaça, que engana; que usa de fraude; que usa de artifícios ilícitos". Será que os astronautas podem ser considerados trapaceiros? Será que eles são protagonistas em uma grande fraude? Será que a NASA está enganando o mundo inteiro com uma farsa há cinquenta e nove anos? Há quem diga que sim. O Diário Pernambucano, por exemplo, publicou em 2012 uma matéria com o seguinte título: "NASA enfrenta primeiras denúncias de farsa em missão enviada a Marte". Leia abaixo parte dessa matéria:

"A névoa da incredulidade junto aos factoides espetaculosos promovidos pelos Estados Unidos da América já ofusca o êxito da mais recente missão da NASA. Tão logo foi divulgado o pouso do Curiosity em Marte, espalhou-se pela Internet acusações de falsidade nas primeiras imagens feitas do solo marciano pelo jipe-robô mais caro produzido pela agência espacial. (...)

Corroborando a tese de fraude, o site Wikileaks divulgou documentos que comprovariam a inviabilidade orçamentária de uma missão como a Curiosity para o governo dos EUA. 'Nos últimos anos, o governo norte-americano gastou trinta trilhões de dólares para impedir a bancarrota de conglomerados financeiros cujas especulações massivas incitaram a atual crise nos mercados globais. Outros tantos trilhões custearam guerras absurdas e provocaram centenas de milhares de mortes. Frente a tantas outras farsas funestas, a procura por resquícios de vida em Marte soa como um mero escárnio', afirma o site na apresentação de seu dossiê."

Claro que existem matérias mais antigas que essa do Diário Pernambucano, onde a NASA é confrontada e colocada sob suspeita. Porém, são as mais atuais que atacam com bastante veemência as ações da agência espacial norte-americana, apresentando farto material que nos induz de forma eficiente a, pelo menos, questionarmos informações, vídeos,  fotos e fatos apresentados pela NASA e por agências espaciais de outros países. Portanto, apresentarei na segunda parte deste estudo alguns links que te conduzirão para alguns dos principais endereços que tratam da matéria em apreço.

Você deve estar se perguntando sobre o que eu penso acerca de tudo isso, já que deixei claro que não acredito na teoria falaciosa de que a Terra foi visitada na Antiguidade por seres extraterrestres, e que a raça humana é fruto do cruzamento entre alienígenas e mamíferos primatas, conforme sustenta o suíço Erich von Däniken. Bem, como esta postagem não é conclusiva, tendo em vista que outras virão na sequência, manifestarei as minhas considerações de forma gradativa. Contudo, adianto que o meu interesse aqui é fazer com que algumas pessoas pensem dentro da bolha; que não se deixem levar pelo que ouvem, leem ou veem. É extremamente necessário que tenhamos um senso crítico aguçado, a fim de não aceitarmos qualquer tipo de imposição sem questionamentos. Com a imensa quantidade de informações ao alcance dos olhos e dos ouvidos, muitas pessoas se inclinam a aprender de tudo um pouco. Aí está o problema, pois saber de tudo um pouco é impeditivo para uma atitude crítica. É preciso, dentre outras coisas, analisar, observar, interpretar e avaliar. Como dar uma opinião crítica sem o total conhecimento de um determinado assunto? Ops! Eu  disse anteriormente que o meu interesse aqui é fazer com que algumas pessoas pensem dentro da bolha. Então, você pode estar perguntando: "E alguém que está dentro da bolha pode pensar?". A resposta é: Claro que sim! E mais: Uma pessoa pode até pensar dentro da caixa. Lembrando que pensar fora da caixa, embora não se tenha certeza de onde teria surgido essa expressão, significa pensar sem estar preso a ideias convencionais. O empresário Thiago Oliveira, que já foi Office Boy e construiu uma grande empresa, defende em seu livro "Pense Dentro da Caixa" (Editora Gente) que, embora vivamos em caixas ("...nosso trabalho é uma caixa, nossa escola, a faculdade, a família"), podemos pensar e criar oportunidades. E se podemos pensar dentro da caixa, podemos pensar mais ainda dentro da chamada bolha social, mesmo porque, nem sempre é bom arriscarmos sair da bolha na qual estamos inseridos. Quem nos garante que o que vamos encontrar em outra bolha é seguro e correto?

Eu estou dentro de uma caixa e você dentro de outra, mas podemos estar dentro da mesma bolha. E existe uma bolha maior, dentro da qual estão inseridas muitas outras bolhas. É como se estivéssemos na Terra, vivendo em um mesmo "universo", porém em "galáxias" diferentes. Ou no mesmo "universo", na mesma "galáxia", mas em "planetas" diferentes. Ou, ainda, no mesmo "universo", na mesma "galáxia", no mesmo "planeta", mas em "continentes" diferentes... Falando dessa forma, voltemos ao assunto da NASA: São os trapaceiros astronautas? O homem pisou realmente no solo da Lua? As imagens fornecidas pela agência espacial norte-americana são reais ou manipuladas? Analisemos estes e alguns outros fatos. Esta é a minha proposta.

Foto: Reprodução/Apocalipse News
O americano Daniel Shenton, radicado em Londres, é o presidente da Flat Earth Society (Sociedade Terra Plana), uma organização que defende e tenta explicar que não vivemos em uma bola gigante que gira em torno do Sol, mas em um grande disco, com o Sol e a Lua girando acima das nossas cabeças e abaixo de um domo. Shenton faz parte de um grande "coral" que canta a mesma "música": "A NASA É UMA FARSA!". Todos eles contestam a ida do homem à Lua e lutam para provar que os astronautas não passam de trapaceiros que protagonizam os papéis principais em um filme com muitos efeitos especiais. A efervescência dos debates vem tomando proporções cósmicas no Youtube e nas redes sociais. Fico imaginando como os cientistas da NASA estão reagindo diante de tantas acusações e exibições de supostas fraudes. Se estão convictos de suas ações e possuem provas concretas, com certeza estão dormindo tranquilos e rindo muito de tudo isso. Caso contrário, a casa vai cair a qualquer momento.

Talvez Rubens Sodré do Nascimento, mais conhecido como Irmão Rubens  ou simplesmente Rubens , seja o brasileiro que mais acusa a NASA de fraude. Aliás, a agência espacial americana é apenas um dos alvos sob a mira da "metralhadora giratória" de Rubens Sodré. Através do seu canal Verdade Oculta no Youtube, Rubens dispara acusações para todos os lados. Eu, inclusive, sou alvo desse franco atirador youtubeano, tendo em vista que ele não poupa nenhum pastor. Há muitos anos ele vem criticando o sistema Illuminati, igrejas, pastores e, recentemente, vem atacando com veemência a NASA e os globalistas (aqueles que defendem que a Terra é um globo girando em torno do Sol). Ele convoca todo mundo a sair da bolha, chamando todos aqueles que nela permanecem de "gado". Falarei mais sobre Rubens Sodré em outra postagem (SÃO OS TRAPACEIROS ASTRONAUTAS?  PARTE II), tendo em vista que usarei algumas declarações dele para fundamentar os meus argumentos e para refutar tudo que considero exagero e espetacularização.               


Continua na PARTE II — Aguarde!       

     

PROTEJA SEU CASAMENTO (PARA CASADOS E SOLTEIROS)

Foto: Reprodução/Mercado Livre

Muitas vezes um casamento vai bem, e acaba abalado por causa de um relacionamento inesperado com uma terceira pessoa. Começa de maneira inocente e agradável, torna-se cada vez mais envolvente. Por fim, traz complicações e desgraças para muita gente.

Não foi um acidente ou "um grande amor que surgiu". Foi um relacionamento do qual o casamento deveria ter sido protegido. Não seja ingênuo pensando que isto só acontece com os outros. Muita gente boa já caiu exatamente por ser ingênua assim. Lembre-se de 1Co 10.12. Por isso, proteja seu casamento...

Eis algumas dicas:
 

Tenha bom senso com suas companhias

Evite gastar tempo desnecessário com alguém do sexo oposto. Muitos casos surgem por não se agir assim. Um executivo precisa de aulas particulares de inglês e contrata uma jovem professora. Contrate um homem. Não significa que cada contato com alguém do sexo oposto seja porta para o adultério. Significa evitar oportunidades para cair. Companhia contínua cria intimidade. Intimidade com o sexo oposto traz problemas.

Tome cuidado com as confidências

A pessoa mais íntima de alguém deve ser seu cônjuge. Segundo a Bíblia, são "uma só carne", isto é, uma só pessoa. Se há aspectos de seu relacionamento que você não pode compartilhar com esposo(a) e compartilha com alguém do sexo oposto, a coisa está ruim. As pessoas tendem a se solidarizar com quem sofre e a proximidade emocional se torna perigosa. Um homem que se queixa de sua esposa para outra mulher está traçando um caminho perigoso. Isto vale para quem faz e para quem ouve confidências.

Evite momentos a sós

Decida não ter momentos privados com alguém do sexo oposto. Se um(a) colega de trabalho pedir para ter um almoço com você, convide uma terceira pessoa. Se necessário, não se constranja em compartilhar os limites que você e seu cônjuge concordaram ter no seu casamento. É melhor ser visto como rude que vir a cair em pecado.

Vigie seus pensamentos

Cuidado com o que pensa. Se você só se detém nos defeitos de seu cônjuge, qualquer outro homem ou mulher parecerá melhor. Faça uma lista das coisas que inicialmente lhe atraíram em seu cônjuge. Aumente o positivo e diminua o negativo. Evite filmes, conversas, sites e literatura que apologizam o adultério. Lembre de Colossenses 3:2.

Evite comparações

Um homem trabalha com uma mulher perfumada, maquiada, bem vestida. Em casa encontra a esposa, com criança no colo, cabelo desfeito, banho por tomar. Uma mulher encontra um homem compreensivo com quem pode se abrir, e se sente mais à vontade com ele do que com o esposo. Ignoraram situações e contextos diferentes. Foram iludidos pelo irreal. Lembre-se do pródigo: o mundo lhe era fascinante, mas terminou num chiqueiro. As aparências iludem, porque o mundo em que vivemos em casa é o real. O mundo de relacionamentos fora de casa é sempre artificial.

Evite a síndrome do retorno

É a idéia de que a vida sentimental e sexual caiu na rotina, e agora, a pessoa "renasceu". Já vi inúmeros casos assim: "Eu renasci", ou "Eu me senti jovem de novo". Não banque o adolescente. Você é um adulto com responsabilidades e com uma pessoa com quem partilha a vida. Construa sua vida com seu cônjuge. Se sua vida conjugal se "fossilizou", há outros caminhos. Revigore-a com seu cônjuge. Há pessoas que sempre se fossilizam e pulam de relacionamento em relacionamento, procurando o que não produzem. Temos o que produzimos.

Ponha seu coração no seu lar

A solidez do casamento vem pelo tempo que os cônjuges gastam juntos. Conversas, risos, passeios, programas comuns. Se você não sai com seu cônjuge, marque datas para os próximos meses. Vocês devem ter um ao outro como o melhor companheiro. Mantenham o clima de namoro: querer estar junto com a pessoa. Orem juntos. Dificilmente duas pessoas que oram juntas brigarão entre si. Sejam parceiros espirituais.

Invista em seu cônjuge

O marido da mulher virtuosa é conhecido quando se levanta em público (Pv 31:23). A idéia é que ele está bem vestido e vê o caráter dela pela roupa dele. Uma boa esposa é um bom tesouro (Pv 18:22). De bom tesouro cuida-se e evita-se perdê-lo. Marido: mulher bem tratada é um grande investimento; o retorno emocional é garantido. Mulher: marido bem tratado é um grande investimento; o retorno emocional é garantido.

Busque ajuda

Havendo problemas, busque ajuda. Primeiro em Deus. Lembre-se de Tiago 1:5. Busque orientação de pessoas mais experientes ou de seu pastor. Evite que o problema se avolume. Evite conselhos de gente que não tem o que dizer. Os amigos de Roboão lhe deram maus conselhos (1 Rs 12:6-12). Nesta busca de ajuda, evite por mais lenha na fogueira. Evite também raiz de amargura (Hb 12:15). Busque ajuda e não um juiz a seu favor.

Conclusão

Bons casamentos não acontecem por acaso. São produto de muito trabalho e da graça de Deus. Boa parte do trabalho é investimento emocional no relacionamento conjugal. "Vender a alma" para o cônjuge. Mas investir sem proteger é problemático. É preciso levantar cercas contra os problemas externos, porque os internos são mais vistos e os dois os vivenciam. Não permita brechas. Não dê armas ao inimigo.



Fonte: Jornal Ágape de Limeira/SP - www.isaltino.com.br